Projetos Estratégicos (53)

Projeto encerrado (DELIBERAÇÃO CGE Nº 01/2018)

1. Objetivo do Projeto

Implantar e promover ações de capacitação e encontros deliberativos que proporcionarão o uso racional de recursos, especialmente o financeiro, de forma a possibilitar a elaboração de um orçamento sustentável.

 

2. Justificativa

Os riscos advindos da prestação jurisdicional exigem ações preventivas da Administração objetivando assegurar a integridade física de seus integrantes e patrimonial da Instituição.

 

3. Alinhamento Estratégico

Objetivos Estratégicos: Melhorar a qualidade do gasto público e fortalecer os processos de governança

 

4. Escopo ou Finalidade

O projeto Orçamento Sustentável tem como escopo fundamental o processo orçamentário do Tribunal Regional do Trabalho da Décima Região, compreendido entre as discussões entre as demandas que irão compor tanto as propostas orçamentárias, quanto os orçamentos plurianuais até o controle e avaliação da execução orçamentária.

Desse modo, o projeto deverá voltar-se especialmente para as despesas discricionárias, uma vez que em relação às obrigatórias a gestão é minimizada em detrimento do CSJT.

Assim, com uma visão orçamentária sistêmica será possível estabelecer políticas de longo prazo, e um melhor aproveitamento dos recursos que são entregues para o TRT Décima Região.

Para tanto, existem quatro subprojetos que deverão servir de base de sustentação para a entrega final do produto.

  • O primeiro refere-se a formalização dos comitês orçamentários previstos na Resolução CNJ 195/2014 por meio de Portaria deste Regional;
  • O segundo será a capacitação de servidores para o acesso e utilização do sistema SIGEO, e em fase seguinte a avaliação dos resultados obtidos por meio da capacitação;
  • O terceiro subprojeto é a realização de quatro encontros anuais dos Comitês Orçamentários;
  • Por fim, o último subprojeto é o mapeamento e elaboração de um documento para nortear o ciclo interno orçamentário do Tribunal Regional do trabalho da Décima Região.

 

 

5. Clientes do Projeto

Todas as áreas que demandam por recursos financeiros as unidades administrativas e a Administração.

 

6. Cronograma

 

Descrição da Entrega

Data Início

Data Fim

Responsável

Apresentação do Projeto a CDEST

29/07

15/08

Susan/Emiliana

 

Portaria

29/07

12/08

Rafael - DIGER

1º Encontro dos Comitês Orçamentários

02/09/2016

02/09/2016

Equipe SEORF

2º Encontro dos Comitês Orçamentários

01/11/2016

30/11/2016

Equipe SEORF

3º Encontro dos Comitês Orçamentários

01/03/2017

30/03/2017

Equipe SEORF

4º Encontro dos Comitês Orçamentários

01/06/2017

30/06/2017

Equipe SEORF

Capacitação SIGEO

01/11/2016

30/11/2016

Maria Das Dores

Documento Orçamentário Interno

01/07/2017

31/12/2017

Equipe SEORF

 

7. Equipe

Responsável: Susan Carla Lavarini dos Santos (DIGER)

 

Nome

Lotação

1

Emiliana Rubem

NUCAN

2

Maria das Dores Francisca de Araújo

NUEMP

3

Francisco Moacir Franco Alves

NUPBS

4

Gleyci da Silva Barbosa

NUEMP

5

Lívia Beatriz Resende Rios Maia

NUEMP

6

Bruno Henrique Nunes Pedrozo

SEORF

7

Rafael Alves Bellinello

DIGER

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

8. Referência

 

Processo SEI: 16.0.000008930-7

Projeto encerrado (DELIBERAÇÃO CGE Nº 01/2018)

 1. Objetivo do Projeto

Elaborar minuta de Política de Comunicação Social do Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região.

 

2. Justificativa

A Constituição Federal, em seu artigo 5º, inciso XIV assegura a todos o acesso à informação. A Carta Magna estabelece também os princípios constitucionais da transparência e da publicidade.

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ), por meio da Resolução nº 85, e o Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT), por meio da Resolução nº 80, regulamentam as questões referentes à Comunicação Social, no âmbito do Poder Judiciário e da Justiça Trabalhista, respectivamente.

Além do dever de prestar contas ao cidadão sobre suas atividades, para o TRT 10, a comunicação é ferramenta estratégica de gestão e deve ser instrumento de disseminação da missão, dos valores e dos objetivos da Justiça do Trabalho do Distrito Federal e do Tocantins, atuando como recurso de fortalecimento da imagem institucional, frente à sociedade e aos públicos de interesse, interno e externo.

A comunicação, para que seja efetiva, envolve, ativamente, muitos atores institucionais internos e tangencia, externamente, processos midiáticos. Assim, torna-se necessária a reflexão, a discussão e a definição dos critérios para a utilização dos espaços e canais de comunicação de que dispõe este Tribunal, bem como os parâmetros para atuação da área de comunicação, a fim de se promover o constante aperfeiçoamento da divulgação das informações administrativas e judiciais entre os públicos interno e externo.

A elaboração de uma proposta de Política de Comunicação Social para o TRT 10 vem, portanto, suprir essa necessidade acima exposta.

 

 

3. Alinhamento Estratégico

Objetivo: Melhorar a Comunicação Institucional

 

4. Escopo ou Finalidade

O Projeto envolve o seguinte escopo:

  1. Pesquisa de Políticas de Comunicação Social junto a outros órgãos públicos;
  2. Elaboração de proposta preliminar para discussão interna à área de comunicação;
  3. Elaboração de minuta para apresentação à Presidência;
  4. Execução de ajustes e elaboração de versão aprovada pela Presidência para posterior discussão e deliberação.

 

5. Clientes do Projeto

Público interno e externo do TRT da 10ª Região.

 

6. Equipe

 

Responsável: Flávia Gontijo Corrêa (NUCOM)

 

7. Referência

 

Processo SEI: 15.0.000009797-4

Projeto encerrado por meio da PORTARIA PRE-CDEST nº 1/2017

 

1. Objetivo do Projeto

Implantação do Banco de Boas Práticas de Execução do TRT 10.

 

2. Justificativa

O termo “boas práticas” se remete a práticas bem sucedidas e se refere a técnicas, atividades, ações ou experiências identificadas como as melhores para realizar uma determinada tarefa. A ideia, portanto, é que é recomendável seguir uma boa prática.

Para ser considerada uma boa prática, é necessário haver avaliação e reconhecimento da prática por atores com credibilidade para tanto. Essa avaliação e reconhecimento pode ser de caráter apenas tácito, bastando, para isso, que os utilizadores reconheçam seu valor para os serviços prestados, sob o ponto de vista do prestador e dos usuários.

Um banco de boas práticas é um instrumento de registro sistemático e de divulgação de práticas e de soluções inspiradoras que apresentaram bons resultados em situações específicas. Sustenta um processo em que os participantes aprendem sobre práticas de sucesso de outras unidades na mesma organização ou de ouras organizações e partem desses casos para desenvolverem soluções que melhor se adaptem à sua própria realidade. Busca-se aliar a qualidade ao que funciona bem.

Um banco de boas práticas tem objetivos bem definidos: a par de ser um repositório de práticas recomendáveis, deve estimular a documentação dessas práticas e publicá-las para compartilhamento dos envolvidos. Há ainda a possibilidade de favorecer a realização de eventos de troca de experiências e de articular as medidas necessárias à adoção de boas práticas, num caráter mais amplo.

A finalidade do Banco de Boas Práticas de Execução do TRT 10 é promover o compartilhamento e a socialização do conhecimento valioso produzido em Varas do Trabalho da 10ª Região e de outros Regionais, no que tange às práticas adotadas durante a fase de execução processual. Esse conhecimento, muitas vezes, fica adstrito à própria Vara, quando poderia estar favorecendo o surgimento de soluções inusitadas, capazes de favorecer os resultados institucionais.

Tendo por base a visão de futuro do TRT 10 para os próximos 6 anos, relacionada à melhoria da integração de pessoas e unidades do Tribunal, a difusão de boas práticas se torna uma solução natural, integrando ao mesmo tempo em que impulsiona os resultados institucionais relacionados à execução trabalhista.

O Banco de Boas Práticas de Execução do TRT 10 se apoia na noção de aproveitamento do capital intelectual de magistrados e servidores integrantes da Justiça Trabalhista, a fim de estimular a melhoria contínua dos processos de gestão das práticas judiciais de execução e, consequentemente, da qualidade dos serviços prestados. Aliado a isso, há que se considerar também a valorização e o reconhecimento das pessoas e equipes de trabalho “autoras” da boa prática.

 

3. Alinhamento Estratégico

Objetivos Estratégicos: Estimular o surgimento e a adoção de boas práticas para a efetividade da execução; e criar e fomentar políticas e ações para uma prestação jurisdicional célere e de qualidade.

 

4. Escopo ou Finalidade

Em geral, projetos de implantação de bancos de boas práticas incluem algumas etapas, quais sejam:

 

  1. Estruturação de um banco de boas práticas; (Desenvolvimento de um sistema para gestão das informações com local de consulta e alimentação de dados para as rotinas a serem implementadas (por exemplo, pelos oficiais de Justiça), dentro de “link” na própria intranet do Tribunal.);
  2. Pesquisa de boas práticas;
  3. Realização de eventos e divulgação do banco;
  4. Processo inicial de manutenção e fomento permanente do banco;
  5. Atividades para implantar a boa prática;
    5.1 Convite, pela Escola Judicial, de juiz gestor regional da Execução do TRT da 2ª ou 3ª Região, que já possuem experiência consolidada e convergente com a proposta aqui apresentada.

 

5. Clientes do Projeto

Varas do Trabalho e a Sociedade.

 

6. Equipe

 Responsável: Juiz Raul Gualberto F. K. de Amorim

7. Referência

Processo SEI nº: 15.0.000003353-4

Projeto encerrado por meio da PORTARIA PRE-CDEST nº 1/2017

 

1. Objetivo do Projeto

O Projeto Descarte Consciente tem por objetivo aperfeiçoar a coleta seletiva de resíduos no âmbito deste Tribunal, incorporando os demais resíduos passíveis de retorno ao ciclo produtivo, observar as disposições legais relacionadas ao tema e possibilitar a destinação social e ambientalmente corretas.

 

2. Justificativa

Cumprir as disposições legais relativas ao tema, e propiciar a destinação social e ambientalmente adequada dos resíduos gerados nas dependências do TRT 10ª Região:  

O Decreto n.° 5940, de 25 de outubro de 2006, instituiu a separação dos resíduos recicláveis descartados pelos órgãos e entidades da Administração Pública Federal, direta e indireta, na fonte geradora, e a sua destinação às associações e cooperativas dos catadores de materiais recicláveis. O Decreto prevê a constituição de uma Comissão para a Coleta Seletiva, no âmbito de cada órgão, com o objetivo de implantar e supervisionar a separação dos resíduos.

A Lei n.° 12.305, de 02 de agosto de 2010, definiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), reforçando a importância do enfrentamento dos problemas ambientais, sociais e econômicos decorrentes do manejo inadequado dos resíduos sólidos, que prevê:

  • Prevenção e redução na geração de resíduos, por meio da prática de hábitos de consumo sustentável, e um conjunto de instrumentos para propiciar o aumento da reciclagem e da reutilização dos resíduos sólidos (aquilo que tem valor econômico e pode ser reciclado ou reaproveitado) e a destinação ambientalmente adequada dos rejeitos (aquilo que não pode ser reciclado ou reutilizado).
  • A responsabilidade compartilhada dos geradores de resíduos: fabricantes, importadores, distribuidores, comerciantes, o cidadão e titulares de serviços de manejo dos resíduos sólidos urbanos na Logística Reversa, que é a devolução dos resíduos aos geradores, fabricantes e/ou distribuidores.

A Portaria da Presidência n.° 13/2014 instituiu formalmente o Projeto “Descarte Consciente”, para atender aos normativos e aperfeiçoar o descarte de resíduos no TRT 10, com destinação dos resíduos às cooperativas e associações de catadores, com a criação de uma comissão específica.

A Comissão de Coleta Seletiva, constituída de servidores indicados pelos gestores dos diversos prédios/unidades, tem atribuições estabelecidas pela Portaria PRE-DIGER n.° 027/2014.

Finalmente, o atual Plano Estratégico deste Regional, definido para o período de 2015 a 2020, e aprovado por meio da Resolução Administrativa n.° 91/2014, estabelece como objetivo estratégico: “consolidar a Responsabilidade Socioambiental na 10ª Região”. 

 

3. Alinhamento Estratégico

Objetivo: Consolidar a Responsabilidade Socioambiental na 10ª Região.

 

4. Escopo ou Finalidade

Aperfeiçoar a coleta seletiva de resíduos no âmbito deste Tribunal, incorporando os demais resíduos passíveis de retorno ao ciclo produtivo, observar as disposições legais relacionadas ao tema e possibilitar a destinação social e ambientalmente corretas, implementando a coleta seletiva solidária, no Distrito Federal, até dezembro de 2015.    

 

5. Clientes do Projeto

Servidores, magistrados, terceirizados, estagiários e prestadores de serviços.

 

6. Cronograma

DESCRIÇÃO DA ENTREGA

DATA INICIAL

DATA FINAL

RESPONSÁVEIS

ADAPTAÇÕES ESTRUURAIS / LEGAIS

 

 

 

Criação do Projeto Descarte Consciente. Portaria da Presidência 013/2014.

21.08.2013

21.03.2014

SERSA/PRESI

Criação da Comissão de Coleta Seletiva -CCS. Portaria PRE-DIGER n.° 027/2014.

27.06.2014

27.10.2014

SERSA/DIGER

Aquisição e distribuição de lixeiras para as áreas de uso comum e contêiners.

Julho/2014

Maio/2015

CDSEG

Realização da primeira reunião com os integrantes dessa Comissão de Coleta Seletiva, a fim de repassar os objetivos gerais e definir as estratégias de atuação. A Comissão de Coleta Seletiva conta com representantes dos diversos prédios, e auxiliará na implementação e fiscalização do Projeto Descarte Consciente.

10.03.2015

10.03.2015

SERSA

Identificação e disponibilização dos locais para armazenamento dos resíduos.

11.03.2015

30.04.2015

Membros da CCS

Promoção à Administração para firmar parceria diretamente com a Central de Cooperativas de Materiais Recicláveis do Distrito Federal – CENTCOOPDF para recolhimento dos resíduos secos gerados em suas dependências, no intuito de atender às disposições contidas no Decreto n.° 5.940/2006, na Lei n.° 12.305/2010 e na Portaria da Presidência n.º 13/2014.

07.04.2015

31.07.2015

SERSA/NUCON

SENSIBILIZAÇÃO

 

 

 

Criação de campanha de esclarecimento e sensibilização, de caráter contínuo, com mídias diversas. Produção do material de divulgação. Lançamento oficial do Projeto em cerimônia com a participação da Comissão de Responsabilidade Socioambiental. Oficinas para os membros da Comissão de Coleta Seletiva e “Agentes da Gente”. Treinamento da equipe de funcionários terceirizados da limpeza. Visita às unidades para orientação e esclarecimentos, com entrega de material.

02.03.2015 20.04.2015 02.02.2015 01.07.2015 01.06.2015 03.08.2015

28.05.2015 28.05.2015 09.06.2015 31.08.2015 31.08.2015 30.09.2015

SERSA/NUCOM SERSA SERSA/CDTEJ SERSA/CDTEJ SERSA SERSA

CONTROLE DOS RESULTADOS

 

 

 

Acompanhamento da coleta dos resíduos secos pelas cooperativas, com pesagem, e divulgação dos resultados.

01.07.2015

18.12.2015

SERSA Membros da CCS

7. Equipe

Responsável: Maria Coeli Cabral de Araújo (NUDES)

 

8. Referência

 

Processo SEI: 15.0.000003345-3

Projeto encerrado em 25 de Julho de 2016 (Deliberação CGE 0498086)

1. Objetivo do Projeto

Apresentar o Regulamento Geral de Secretaria e Organograma do Tribunal Regional do Trabalho da 10a Região atualizados.

 

2. Justificativa

O Regulamento Geral de Secretaria é o documento que norteia a organização e o funcionamento do Tribunal, sua atualização é fundamental para balizar as atividades das diversas unidades.

 

3. Alinhamento Estratégico

Perspectiva:
Objetivo: Estimular a integração e a visão sistêmica e Fortalecer os processos de governança

 

4. Escopo ou Finalidade

O projeto se propõe a apresentar uma versão atualizada do Regulamento Geral de Secretaria e do Organograma do TRT10.

 

5. Clientes do Projeto

As unidades administrativas envolvidas nos fluxogramas dos processos de aquisições de bens e serviços, bem como de projetos de obras, desde a etapa inicial de planejamento até fase da execução orçamentária.

 

6. Equipe

 

Responsável: Sérgio Luiz Barbosa Vargas (SGPRE)

Nome

Lotação

1

Wagner Azevedo da Silva

DIGER

2

Joana Angelica Correia da Silva

GBPRE

3

Alex Saraiva Santo

DIGER

 

Projeto encerrado por meio da PORTARIA PRE-CDEST nº 2/2016

1. Objetivo do Projeto

O objetivo do Projeto Estratégico Gestão Planejada é otimizar a gestão dos recursos orçamentários disponíveis, de forma a melhorar a qualidade do gasto público e atender às diversas demandas de interesse da Administração deste TRT.

 

2. Justificativa

O Projeto Estratégico Gestão Planejada se justifica pela necessidade manifesta de melhoria da qualidade do gasto público e da racionalização dos recursos orçamentários disponíveis, de implantação da governança de aquisições e de melhoria dos fluxogramas dos processos administrativos, conforme o risco administrativo inerente a cada rotina específica.

O Projeto Estratégico Gestão Planejada terá impacto direto na otimização do orçamento, no cancelamento de recursos inscritos em Restos a Pagar, bem como na redução de atos de reconhecimento de dívidas. Além disso, terá impacto na organização das diversas demandas por aquisições de bens e serviços, com a possibilidade de alinhar a execução com o planejamento. Terá impacto, também, na melhoria dos fluxogramas de andamento dos processos administrativos, tornando-os mais densos ou menos densos, conforme o mapa de risco.

 

3. Alinhamento Estratégico

Perspectiva
Objetivo:

 

4. Escopo ou Finalidade

O projeto Gestão Planejada abarca os processo de trabalho que envolvem controle, execução e gestão orçamentária, desde a etapa inicial de planejamento das aquisições de bens e serviços, bem como de projetos de obras, até fase da execução orçamentária.

Subprojetos:

 

Subprojeto

Escopo

a)       

Qualidade Orçamentária

abarca os processos de trabalho que envolvem planejamento, controle, execução e gestão orçamentária;

b)       

Governança de Aquisições

abarca a fase de planejamento das aquisições de bens e serviços, bem como de projetos de obras, até a definição das prioridades do TRT10;

c)        

Fluxo Processual

Abarca o fluxugrama de trabalho dos processos de aquisições de bens e serviços, bem como de projetos de obras, até a etapa de emissão da ordem bancária.

 

5. Clientes do Projeto

As unidades administrativas envolvidas nos fluxogramas dos processos de aquisições de bens e serviços, bem como de projetos de obras, desde a etapa inicial de planejamento até fase da execução orçamentária.

 

6. Equipe

 

Responsável: Rafael Alves Bellinello (SEORF)

Nome

Lotação

1

Rafael Bellinello

SEORF

2

Wagner Azevedo

DIGER

3

Lucília Barbosa

CDCOI

4

Gilvan Silva

SEADM

5

Rosanne Guerra

DSEIN

6

Susan Lavarine

NUEMP

7

Emiliana Ruben

NUCAN

8

Daniel Beú

NUAQS

9

Gleyci Barbosa

SEORF

10

Gabrielle Cobucci

SEDOC

 

 Projeto encerrado por meio da PORTARIA PRE-CDEST nº 2/2016

1. Objetivo do Projeto

Promover a implantação do sistema de Processo Judicial Eletrônico da Justiça do Trabalho – PJe-JT no Foro de Brasília do Tribunal Regional do Trabalho da Décima Região.

 

2. Justificativa

A implantação do PJe-JT faz parte de uma ação nacional de aprimoramento e modernização da Justiça Trabalhista e as justificativas para sua instalação são apresentadas abaixo:

O Art. 5º, inciso LXXVIII, da Constituição Federal de 1988, que assegura a todos, no âmbito judicial e administrativo, a razoável duração do processo e os meios que garantam a celeridade de sua tramitação;

A Lei nº 11.419/2006, que trata da informatização do processo judicial, da comunicação eletrônica dos atos processuais e do processo eletrônico; e

A Resolução n.94 do Conselho Superior da Justiça do Trabalho, de 23 de março de 2012, alterada pela Resolução n.120/CSJT, de 21 de fevereiro de 2013, que institui o Processo Judicial Eletrônico da Justiça do Trabalho – PJe-JT como sistema de processamento de informações e prática de atos processuais, estabelecendo parâmetros para sua implantação e funcionamento.

 

3. Alinhamento Estratégico

Perspectiva: Processos Internos
Objetivo: Criar e fomentar políticas e ações para uma prestação jurisdicional célere e de qualidade.

 

4. Escopo ou Finalidade

Criação de um banco de boas práticas de execução. Critérios para a identificação de boas práticas de execução. Mecanismos e meios de difusão de boas práticas de execução. O projeto visa a implantação do sistema único e nacional de Processo Judicial Eletrônico/PJe-JT no âmbito do TRT 10, com foco na tramitação de recursos e ações originárias. 

 

5. Clientes do Projeto

Clientes internos: Desembargadores, Juízes, servidores, estagiários e terceirizados que atuarem em qualquer fase do trâmite processual judicial.
Clientes externos: Jurisdicionados, procuradores, advogados e partes.

 

6. Equipe

 

Responsável: Des. Pedro Luís Vicentin Foltran

Nome

Lotação

Des. Pedro Luís Vicentin Foltran

GDPLVF

Des. Ricardo Alencar Machado

GDRAM

Alexandre de Azevedo Silva

1ª VT - Taguatinga

Francisco Luciano

3ª VT – Brasília

Vânia Melo Dutra

SEAJU

Flávio Antônio C. Medeiros Lula

 

Célio Lopes de Jesus Júnior

SECOR

Lorena Ramalho Henriques

SETU1

Lana Cristina Moreira Baptista

NUSAU

Rafaela Alvim Barbosa

NUCOM

Charles Abrahão Chalub

SCCER

Cláudio Luís Gonçalves Garcia

SEPLE

Jodeir Rodrigues Silva

CDPES

Gustavo Rocha

SETIN

Rosana Sanjad

CDTEJ

Simone Luíza Garcia Magalhães

NUPRO

 

 

Projeto encerrado por meio da PORTARIA PRE-CDEST nº 2/2016

1. Objetivo do Projeto

Descrever detalhadamente o produto serviço ou resultado que será entregue ao final do projeto.

Um panorama das opções existentes no mercado e já validadas pela utilização como case de sucesso em outras operadoras, com estimativa de custos e aplicabilidade no TRT, para subsidiar a contratação de empresa especializada.

 

2. Justificativa

Para maior clareza, nossa explanação se vinculará aos seguintes aspectos:

  • Normativos do TRT 10ª Região;
  • Sugestão de nova modalidade de solicitação dos recursos do orçamento da União para custeio dos exames periódicos, doenças ocupacionais e acidentes de trabalho;
  • Realidade do Mercado de Saúde Suplementar;
  • Dados da população assistida pelo Programa de Assistência à Saúde do TRT 10ª Região e dos exames periódicos
  • Dados do quadro funcional do TRT da Décima Região (disponíveis no portal de Transparência)

Proposição de contratação direta dos serviços considerados de melhor adequação após análise do Conselho de Saúde na reunião ordinária de Novembro/2015, nos termos contidos no art.88, inciso.XIII do Regulamento.

 

3. Alinhamento Estratégico

Perspectiva:
Objetivo: Promover a melhoria da gestão de pessoas, da saúde e da qualidade de vida 

 

4. Escopo ou Finalidade

Dotar o TRT 10ª Região e o Programa de Assistência à Saúde TRT Saúde 10 de ferramenta auxiliar para gestão de saúde populacional destinada a promover o envelhecimento saudável. Atualmente, no cadastro de servidores aposentados do TRT, verifica-se que 28% referem-se a aposentadorias por invalidez, de doenças previstas ou não em Lei. Isso reflete a necessidade de se promover o envelhecimento saudável do corpo funcional e dos beneficiários do Programa TRT Saúde 10, estimulando ações preventivas e de promoção de saúde. Um benefício adicional é que a médio e longo prazos o investimento resultará em economia dos recursos destinados à assistência à saúde.

 

5. Clientes do Projeto

Neste item devem ser descritas as unidades e os públicos-alvo diretamente impactados pela implementação do projeto e que contribuem ativamente com informações para a elaboração e desenvolvimento do projeto.

 

6. Equipe

 

Responsável: Maria Teresa de Castro Guerra e Ribas (CDASP)

Nome

Lotação

1

MARIA TERESA DE CASTRO GUERRA E RIBAS

CDASP

2

FLAVIO KOBAYASHI

CDASP

3

LANA CRISTINA MOREIRA

BAPTISTA

NUSAU

 

Página 3 de 3

CONTATO

Coordenadoria de Governança e Gestão Estratégica - CDGES

Endereço: Setor de Autarquias Sul, Quadra 1, Bloco "D", Anexo I, Sala 303
               Ed. TRT 10 - Brasília/DF
               CEP: 70097-900

Telefones: (61) 3348-1486 / 3348 1344

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.